E se em cada incendiário está adormecido um grande plantador de árvores?

Estou convencido que os psicopatas que andam por aí durante a noite a atear incêndios dariam excelentes plantadores de árvores.

Meter um psicopata sem mais nem quê, por mais normal e acessível que ele pareça, no chilindró não resolve nada. Mandá-lo para casa ainda resolve menos. Fazer dele um herói negativo, um aventureiro antissocial, é coisa que nem sequer ao diabo ocorre, a não ser que este seja pobre e se meta pelos infernos do jornalismo.

O relacionamento da sociedade portuguesa com a sua natureza exterior é altamente deficitário. Com a interior não é melhor. Em ambos os casos já foi pior. Não nos vemos nela, não a vemos em nós. Os solos, a água, as plantas, os outros animais, não precisam de nós para nada. Sem nós a natureza passaria muito melhor, mas no dia em que descobrirmos que estamos nela e que lhe pertencemos, nesse dia descobrimo-nos e damos o primeiro passo no respeito por nós. Esta é a estaca-zero da nossa auto-estima. Nesse dia vai ganhar a natureza, a sociedade, vai ganhar cada um de nós.

Um psicopata tem antes de mais um problema consigo próprio. Ele vê-o nos outros, mas aquilo que ele vê nos outros, não o identifica, ou recusa-se a reconhecê-lo, como seu. O psicopata é um homem dilacerado, dividido, rasgado intimamente e os outros membros da sociedade que lhe estão próximos e que com ele convivem, na forma como reflectem o seu desespero e conflito interno, pode acender ainda mais a contradição. Ele procura fugir desse conflito pela porta do fundo, pela vingança, pelo crime. Que não faça a sociedade aqui o jogo de Pilatos, a porta do fundo foi a única porta que o perturbado viu mais próxima e que, como que de propósito, a sociedade lhe deixou entreaberta.

Um psicopata precisa de ajuda e a ajuda que lhe dermos, ajuda-nos. Prevenimos o crime quando estendemos a mão, nos interessamos e ouvimos o que ele nos quer dizer, muitas vezes numa metalinguagem sua, muito pessoal. Os demónios podem ter muitos defeitos, mas sempre tiveram a gentileza de nos avisar com a devida antecedência para os seus actos. O descuido é nosso por não lhes darmos atenção.

Corrigimos o crime quando estendemos a mão, nos interessamos pelas capacidades do psicopata e lhe damos uma chance. Um incendiário de matas e florestas é um homem que tem uma relacionamento muito especial com a natureza, só que negativa, de sinal contrário, virado para a destruição. Para corrigir esse relacionamento, porque não fazer dele um bom plantador de árvores?

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s